BISFENOL - A




ALERTA:

O uso contínuo de recipientes e embalagens de plástico no nosso dia a dia oferece mais perigos a nossa saúde do que podemos imaginar.  Até pouco tempo, o perigo presente nessas embalagens era desconhecido ou ignorado pela maioria das pessoas.

Hoje, existe cada vez mais informação referente a esse uso, e diversos países já tem tomado alguma atitude.

O bisfenol-A é um produto químico utilizado na fabricação de plásticos, que pode ser responsável por diversos problemas na nossa saúde, principalmente para bebês e crianças.

BISFENOL – A

O que é bisfenol-A (BPA)?
O bisfenol-A é um produto químico usado na fabricação de plásticos. O BPA também é utilizado no revestimento interno de quase todas as latas de alimentos e bebidas, tuppeware, e inclusive em latas, de fórmula para bebês e mamadeiras.

Por que o bisfenol A é usado em recipientes de comidas e bebidas?
Porque ele é transparente, forte, leve e duradouro e torna o plástico mais resistente a rachaduras. O revestimento de BPA usado no interior de latas de comida e bebida evita que as latas enferrujem.

Como estamos expostos ao bisfenol A?

Bebês e crianças:
O BPA pode ser transmitido para criança através do consumo de alimentos ou bebidas acondicionadas em plástico, como mamadeiras, copinhos, pratinhos e talheres. É importante salientar que o aquecimento da mamadeira leva a um maior desprendimento do bisfenol-A, no entanto, em mamadeiras de plástico a migração vai acontecer independe dela ser aquecida ou não.
É cientificamente comprovado que o bisfenol-A passa pela placenta e a contaminação do feto ocorre sempre que a mãe ingerir um produto que esteve em contato com o químico.
Adultos:
Pela ingestão de alimentos ou bebidas provenientes de latas, recipientes plásticos usados para guardar alimentos na geladeira, garrafas (squeezes) e garrafões.

CONSEQUÊNCIAS DO BISFENOL A:

É considerado um interferente endócrino, o químico age como alguns dos hormônios presentes no corpo humano e pode comprometer a saúde.
Estudos sugerem que a parte mais afetada é o sistema reprodutivo, sendo fetos e bebês os mais vulneráveis à sua exposição.
Estudos realizados associaram o bisfenol-A a uma maior incidência de obesidade, problemas cardíacos, diabetes, câncer na próstata e mama, puberdade precoce e tardia, abortos, anormalidades no fígado em adultos e também problemas cerebrais e no desenvolvimento hormonal em crianças e recém-nascidos.